[Resenha] A Garota No Trem

12:42

capa - a garota do trem - blog de livros


Ano: 2015
ISBN-13: 9788501104656
ISBN-10: 8501104655





Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida.
Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.



Eu tenho muita coisa para falar desse livro, e ao mesmo tempo as palavras somem na minha cabeça. É o tipo de livro que você se delicia ao ler. Vou tentar explicar porque.


Paula Hawkings nos apresenta uma personagem que ainda sofre com a separação e que possui problemas com álcool, está sempre perseguindo o ex marido, sua atual esposa e a filha deles de alguns meses, através de telefonemas bêbada no meio da madrugada, com e-mails ou simplesmente aparecendo na antiga casa deles e atual casa do casal. Porém, o maior problema dela não é a bebida e sim não se lembrar de absolutamente nada no dia seguinte, então é sempre torturante acordar após a bebedeira, de ressaca e ter um vácuo sobre a noite anterior.


Mas ela ainda se mantém de pé todos os dias para ir ao centro de Londres e pega o mesmo trem todos os dias, no caminho, ela sempre observa um casal - Jesse e Jason - que moram na mesma rua em que ela morava antes com Tom (seu ex marido), ela inventa esses nomes para o casal e observa como eles são felizes e o quanto ela gostaria de ser feliz assim, com a vida perfeita ao lado de Tom. Em um domingo de manhã, Rachel acorda com um hematoma na cabeça cheio de sangue, machucada e ela não faz ideia de como aconteceu, após ler o jornal descobre que nessa mesma noite Jesse - Megan - desapareceu. Desesperada para encontrar respostas da sua falta de memória e do desaparecimento de Megan, Rachel começa uma busca frenética atrás de qualquer coisa que possa responder suas perguntas.


Eu gostei muito desse livo, porque ele é muito bem construído, a autora brinca com o tempo oscilando a narração entre o passado e o futuro, e constrói personagens muito profundos dentro de suas respectivas vidas. O que antes você acharia ser natural ou até mesmo sem importância, acaba se tornando pontos cruciais para o desenrolar da estória. É um thriller psicológico que te faz devorar cada página. Ele é narrado principalmente pela Rachel, ela é uma personagem bem confusa, porque na maior parte do tempo ela não faz ideia do que está fazendo, mas acima de tudo ela só quer ajudar a encontrar Megan e descobrir o que foi feito do seu sábado a noite em que chegou sangrando em casa.


A autora cria links incríveis entre os acontecimentos e você acaba descobrindo que cada vírgula está ligada ao desenrolar inteiro do livro. Recomendo a leitura para todos aqueles que estão procurando um tipo novo de estória e também para aqueles que são fãs de bom e velho thriller psicológico.


O que vocês acharam? Já leram o livro ou ficaram com vontade de ler depois da resenha? Deixa seu comentário aqui em baixo e conta pra gente. Até o próximo post.


22 anos, estudante de publicidade e propaganda. Sou apaixonada por ler, por livros, por escrever. Meu maior sonho é ser uma autora.

22 anos, mãe, escreve nas horas vagas e está sempre acompanhada de um livro. Ler é sempre uma grande aventura.

You Might Also Like

1 comentários

Olá pessoal! Sejam bem vindos à nossa seção de comentários, a opinião de vocês é de extrema importância para nós e vamos adorar ler cada comentário, mas claro, nunca se esqueçam de que gentileza gera gentileza ♥